terça-feira, 25 de setembro de 2012

Viveberância..


Qualquer que seja a mudança iminente, já sou viciada nela. É o que move minhas engrenagens, o que me instiga a relutar sobre o comodismo de viver.Se isso for algum tipo de patologia, uma fobia de "estar como sempre" ou um vício em "menos do mesmo", não tenho noção de cura.

E apesar de variar de curso 40 vezes ao dia, 280 vezes por semana, 1.120 vezes ao mês e exatas 13.440 vezes ao ano, confesso que tenho a habilidade de me prender a detalhes para guardar como uma saudade grande do que tenho a cada dia.

Sim, eu me prendo a sensações ruins, situações lamentáveis e dolorosas, mágoas continentais, e o faço para no fim do expediente estar exausta de mim e do mundo, pois depois da exaustão, vem o prazer, depois do prazer, vem a plenitude, e depois da plenitude, saberei eu que estou viva.

Tudo o que eu faço é para poder me sentir viva. Mudo, transcendo, retenho, prendo, tudo pelo trunfo de estar viva e ter essa certeza de.

A partir de hoje vou escrever um livro sobre cada dia que passa por mim, o qual me torna objeto desse, e o título será "viveberância" para combinar com o objeto dito. E eu prometo que vai ser divertido.

3 comentários:

Waltin Sousa disse...

tavu ka a mercer d Deus dara, quandu mi alembru eu d vos mice!
num rezisti e vim vuandu, vuandu, tv, t ler!
pois q direi!
eis-me aq a merce de ti!
faz-me bem d+ pru S2, ver-te assim,
delirantemente lindaca d+ da conta, so! t ler e tudim d bao, ta!
bjos 1000

Waltin Sousa disse...

affff maria, so!
heita ferro heim!
minha familha vai dar 1 role pra suas bandas, vao xegar ai amanha, so!
o povo ta numa ansiedade medonha, pra mode conhecer sua terra, q dizem ser mui bela! de mulhres lindissimassss.
+ a vida e assim mesmo!
o sol nasca pra todos, + so esquenta alguns!

Waltin Sousa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.