quinta-feira, 10 de novembro de 2011

'viciando em quase tudo'


Nos últimos dias/meses ando afastada por não ter o que dizer. Nada me incomoda o suficientemente para escrever sobre minhas insatisfações. Meus dramas estão limitados à rotina.

Mentira.
Nos últimos tempos muita coisa me virou do avesso, tirou a cabeça do lugar. Posso dizer que nunca me surgiu tantas novidades atropeladas em tão curto espaço de tempo. Cruel demais para passar por cima. Forte demais para pôr em palavras.

Eu cheguei a odiar e amar no dia seguinte da maneira mais íntima que poderia amar. Apesar de alvos diferentes, são sentimentos oriundos de um mesmo corpo. Incompreensível.

Não consigo cessar meu desespero por vida. Como diria uma grande amiga: eu não gosto de quase nada, mas sou uma viciada em quase tudo.

Há pedaços meus espalhados por toda a cidade e eu não sei como pedir de volta o pouco de mim que joguei fora. (e essa frase contêm uma dose de arrependimento e três colheres de recordações).

Se cada pessoa que me circunda lesse o que está escrito aqui, teriam interpretações diferentes e direcionadas. E todas estariam certas.

Eu escrevo para você (olho para a direita)
e para você (olho para a esquerda)
e para você (balanço a cabeça)
e para você (aponto para o longe)
e para você logo ali (no longínquo)

Espero voltar a escrever para mim em breve. Porque escrever para o mundo anda comprometendo meu estado mental..

Um comentário:

Gabriel Pereira disse...

mtu bom seu blog, gostei mtu!