quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Distúrbio Multipolar Noturno.

Parte do lençol branco enfiado goela a baixo como grande parte da vida até aqui.

O lençol sufocando o choro baixo, reprimido, pausado como grande parte da caminhada até aqui.

As lágrimas graduais e mornas, tão difíceis de pôr para fora e depois que postas, difíceis de conter..como grande parte da história até aqui.

O quarto de paredes indiscretas assiste o pranto. Um de muitos... até aqui.

Um choro verdadeiro, não culpado, mas solene. É uma cerimônia dos perdedores. Perdedores de vergonha, de amor próprio, de luz branca, de dignidade. É o ritual da redenção, um pedido de desculpa para si mesmo após o arrependimento matinal.

O fôlego curto diz que você é mais criança do que poderia imaginar e que só sua mãe resolveria seus problemas.

A dor de tão aguda não pode ser compartilhada com ninguém; tem efeito "bomba atômica". Explode na mão.

O telefone vibra ao seu lado, agitando a cama que já se encontra em espasmos. É a vida real te tirando da introspecção. Então você ri, achando divertido ser salvo pelo gongo.

Responde a mensagem da amiga com humor e ainda com o lençol na boca, evita morder a língua, gritar e ranger os dentes firmes.

Alguém poderia dizer como se trata o distúrbio da multipolaridade?? Sorrir chorando na festa dos perdedores satisfeitos.. frase não coesa e não coerente sequencial.

Cai na calmaria, dorme um sono anestesiado. E no dia seguinte... morfina no subconsciente. Nada aconteceu.

2 comentários:

hector disse...

Hummm...ficou bem descrito. Não posso dizer que entendo. Mas já tive um similar a esses(fora algumas partes, principalmente a do telefone rsrsrs). E olha...é uma grande enrascada. Na minha concepção(longe de formada) é como se fosse um "momento meio emo",pra ser mais contemporâneo. Mesmo com essa nova roupagem de nome, é Chato pacas.
Remédio ao certo ainda não encontrei e nem sequer tratamento. Mas aprendi umas "Coisas" que me levaram a não mais enxergar a vida por esse angulo. E já que não gosto de ficar parecendo um psiquiatra autodidata dando aqueles intermináveis e já cansativos conselhos pra esse "mau"(que as vezes é até bom. pelo menos pra mim foi),não vou citar essas "Coisas". E tbm não é minha intenção. Apenas me identifiquei com o texto e passei pra compartilhar experiências. E é isso que conta.

um grande abraço!ah, e é verdade, já temos problemas d+ pra nos preocuparmos com os do mundo todo. Quando a gente fica bem, já é meio caminho andado.pode ter certeza! :D beijo! continue postando...

giu batista disse...

Oi moço! obrigada pelo comentário.. difícil encontrar alguém disposto a ser cordial com sua mensagem em um blog! rs. Agradeço a gentileza e delicadeza.

pois é, o 'momento emo' fica mais digno se analisado com toda a poesia que pode haver dentro de você... hahahaha! olhando por essa ótica chega a ser bonito. (apesar de doloroso =/)

e sobre a cura.. bem, cada um 'inventa' a sua, não é? se a sua são 'as coisas' misteriosas.. a minha é o post debaixo. Mas as vezes esqueço. rs.

um grande beijo!
cuide-se.

=*