terça-feira, 31 de maio de 2011

you always think, always speak cryptically..

Quando escapa por minhas mãos me faço de louca de saudade para te encontrar no chão, na sarjeta a qual te encontrei outro dia. O que não tem final feliz é caminho de felicidade, afinal. O que se pode perder ao viver sem pretensões? Acho que nada. De limites, bastam os braços e pernas.

És um pedaço do que eu tenho para contar, mas também é a única parte que me contém agora. ''Entre o querer e o não querer, quantas possibilidades existem?'' Repito meu verso bem baixinho para gravar na alma. Eles delimitam o espaço que posso orbitar longe de sua estrela/satélite/planeta/pontinho reluzente no céu que cega os olhos.

Componho uma melodia todo dia que ainda não me leva à uma outra dimensão onde seu corpo tenha massa nula ao meu.

Não esqueço a música nem seu corpo. Como faz?

Um comentário:

BRUCELEE' lucasmartins. disse...

hehe' como é que faz ?

como sempre, com textos "soda" :}