sexta-feira, 1 de outubro de 2010

É normal.

Cada fim é um recomeço e eu não me importo em voltar ao zero porque não é perca de tempo. Refaço toda a verdade, invento maneiras mais simples de me sentir bem e assim, chego até a pensar que seja uma fase de aprendizado.

É normal.

Encaro com naturalidade as idas e vindas dos meus sonhos, as suposições absurdas que faço sobre como tudo deve ser e me conformo com a regeneração dos desejos que afloram em mim. Eu viro a mesa, eu jogo um novo jogo de cartas com as regras de qualquer um.

É normal.

Tomo ciência de que preciso continuar, apesar do ''bem me quer, mal me quer'' que insiste em tirar minha sorte da roda. Nem importa. De qualquer forma eu sigo em frente, a fim de apostar mais alto.

E isso tudo é normal.

Um comentário:

GIMENEZ, Liz disse...

Belo post, adorei. :*