terça-feira, 31 de agosto de 2010

Ápeiron



A gente tem mil coisas para falar o tempo todo. Eu, particularmente, ando anotando tópicos interessantes ou treinando no espelho. Converso sozinha para ver se o tom de voz fica bom, se você vai me entender de primeira.

Então é quando você nota a minha fraqueza e me engole com seus olhos cor de mel, fazendo eu me perder nas palavras. Eu gaguejo, tropeço no que penso, esqueço a ordem lógica das frases e meus planos de levar uma conversa num segmento racional vão por água abaixo.

Você me mastiga de um jeito sem igual, tritura bem devagar meus ombros e braços e a gente rir sem parar do nada e para o nada. Você prova dos meus dedos, do meu pescoço e eu fico sem saber onde enfiar a cara. Você me põe na boca levemente e segura meu rosto para que eu assista à essa tortura deliciosa.

Eu fico desorientada nas suas mãos, deixando você guiar todo o processo de digestão e no fim a única frase completa e com nexo que eu sei falar ao teu lado é o bom e velho "eu te amo".

2 comentários:

millin' a disse...

altoral? porque ta muito perfeito.

giu batista disse...

oui!

os meus raros posts não autorais vêm com os créditos em baixo. Normalmente são dos livros que eu gosto ou de uns amigos que eu admiro muito e escrevem coisas genais, como a Lilith, por exemplo! rsrs ;)

beijão, moço!