sexta-feira, 2 de julho de 2010

Impulso, pulsa.

Força instintiva, desejo repentino sem noção de consequências. Impulsividade: palavra chave. A melhor forma de compreender o caminho é se livrar da regra, do roteiro, do óbvio. O bom mesmo é se jogar no desconhecido para acumular experiências. Velho costume de se perder para se encontrar. Luta travada, em segundos, contra o bom senso para se chegar a um momento vago de satisfação. Tão sem fundamento, exatamente por depender de emoções. Instabilidade = Impulsividade?

I M P U L S I V I D A D E: palavra extensa, terminada em DADE. DADE sempre é uma rima pobre. Impulsividade tem origem de um emaranhado de sentimentos insanos, mas nem sempre pobres. Sentimentos por si só são riscos em intensidade. Intensidade é outra palavra terminada em DADE e digníssima. A força instintiva é o suficiente para nos por contra nós mesmos. A impulsividade (inconsciente) nos permite realizar ações sem medo. Quem diria: atitudes imaturas e destemidas saindo de um único corpo tomado por um estado súbito de euforia que faz transbordar a felicidade. Outra palavra da família DADE. Singela, com flores no F e desenho de pássaros entre o A e E.

São tantos estados permitidos a partir da impulsividade alheia que se pede o foco. Correr no escuro é equivalente a essas observações em conjunto, eu diria. Correr é uma ação de impulso que pode não levar a lugar algum. Talvez seja necessário recomeçar do zero, eu diria.

recomeçar do zero, eu diria.
recomeçar do zero, eu diria.
recomeçar do zero, eu diria.
recomeçar do zero, eu diria.
recomeçar do zero, eu diria.


*se não faz sentido para você que lê, imagine para mim que cria. Estou a base de entorpecentes literários, então, não enche.* Culpa do Júlio Cortázar...

2 comentários:

Leo'Brasil disse...

Diria que deveria haver equilibrio para a impulsividade e o raciocinio logico. Mas ninguem quer o equilibrio senao quando estar prestes a cair. Se pensamos demais, nao vivemos tudo o que deveriamos; por isso, deve haver um pouco de impusividade. E quando ha impulsividade demais, precisamos de um pouco de cautela, precisamos "pensar um pouco". Enfim, eh questao de momento, de pessoa... sempre se busca o equilibrio em momentos que se precisa se segurar pra nao cair, embora sempre busquemos algum escape, em algum momento: a impulsividade.

Anônimo disse...

Júlio Cortázar fundou o nome do boi, e você criou a palavra-esconderijo... :3
E sobre o comentário de cima; só desejamos aquilo que não possuímos, e se acaso conseguirmos possuir imediatamente deixamos de desejar. Como pode-se ver: o equilibrio é uma corda-bamba de desejos, haha.
ass: Lili-th