quinta-feira, 22 de abril de 2010

não eternidade!

''e tudo fica bem quando acaba bem'', já diz o ditado popular. Eu fico pasmo como a vida é. As vezes estamos aqui e depois, já estamos lá! e daqui a pouco... passou! Essa vida bandida é genial! O único problema é a ressaca moral, mas damos um jeito. Maior confusão interna, concorda? Maior briga consigo mesmo.

Converso sozinho, antes de dormir, e sempre chego a conclusão de que amo viver. Tem coisa mais louca? sensação mais gostosa? adoro, adoro, adoro! eu adoro esse barulho de buzina, de motor quente, adoro o sol brilhando, as garotas no calçadão, os meninos com a bola, a balada a noite, a rotina do trabalho e o beijo da morena! Eu estou falando do dia-a-d-ia, entende? simples dia a dia! Do patrão xingando, do cão latindo, do sorriso dos meus amigos. Sábado a noite, futebol e praia!

Eu quero mesmo é viver, sabe? viver, viver, viver! Na verdade, eu quero dormir com ela para o resto da vida. Ir na casa dela, olhar nos olhos dela, rir da cara dela, brincar com o corpo dela. Morena tão bonita... tão cheia de vida!

Eu gosto é daquilo que me deixa sem ar. Tenso, hein? intenso também! do riso dela junto ao meu, do hálito dela embaçando o vidro do meu carro, dos corações infantis desenhos com o dedo no espelho. Nossos passeios a tarde, a beira-mar, na velocidade da nossa comunhão.

Eu prefiro mesmo é a não eternidade. Eu prefiro mesmo, mesmo, mesmo! não eternidade, não eternidade, não eternidade! gritar aos quatro ventos que o eterno não é bem vindo! prefiro um momento de cada vez. Um riso torto, um sabor amargo, um prego na língua e a mão soada também. Clarice Lispector tem razão!

"Mas eternamente é uma palavra muito dura: tem um "t" granítico no meio. Eternidade: pois tudo o que é nunca começou. Minha pequena cabeça tão limitada estala ao pensar em alguma coisa que não começa e não termina - porque assim é o eterno. Felizmente esse sentimento dura pouco porque eu não aguento que demore e se permanecesse levaria ao desvario. Mas a cabeça também estala ao imaginar o contrário: alguma coisa que tivesse começado - pois onde começaria? E que terminasse - mas o que viria depois de terminar?"

E para que eternidade? se eu amo a vida, pouco a pouco, cada gole na sua vez...ordem cronológia e blá. Fim do drama contínuo. Eu preciso mesmo é da minha morena todo dia na minha onda, na minha brisa, na minha vida. E blá!

Nenhum comentário: