quarta-feira, 3 de março de 2010

Carta ao Sofrimento.


Fortaleza, 03 de março de 2010

Caríssimo Sofrimento,
Infelizmente tenho que confessar meu pavor em escrever-lhe. Eu não pretendo encontrá-lo em muitas ocasiões nesta longa caminhada que é a vida, mesmo sabendo que és persistente. Ontem conversei com um velho amigo que atravessa momentos penosos, quais eu jamais desejarei ao pior inimigo.

Esse amigo, razão da carta, me fez refletir sobre questões de responsabilidade, respeito consigo mesmo e com o próximo. Ele está com a síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) causada pelo HIV, vírus que ataca as células de defesa do nosso corpo. Nosso organismo fica vulnerável a diversas doenças, podendo levar a morte. Segundo ele, a AIDS é o estágio mais avançado da infecção pelo HIV, ou seja, a situação está bem crítica.

Logo percebi que especula-se muito sobre tal moléstia, porém há poucas informações úteis sobre seu desenvolvimento, importância e tratamentos. Por exemplo, o senhor sabia que a AIDS pode ser considerada uma doença de perfil crônico? Em outras palavras, esse mal não tem cura, mas tem tratamento e uma pessoa infectada pelo HIV pode viver com o vírus por um longo período, sem apresentar nenhum sintoma. O uso de combinação de medicamentos, denominado coquetel retarda o poder do destrutivo do vírus atualmente surte efeito. Esse coquetel é capaz de manter a carga viral do sangue baixa, o que diminui os danos causados pelo HIV no organismo e aumenta o tempo de vida da pessoa infectada.

Outro ponto importante são os cuidados na transmissão da doença: pode haver contágio por meio de relações sexuais com indivíduos infectados sem preservativo, uso de drogas injetáveis, compartilhamento de seringas e agulhas, transfusão de sangue contaminado pelo HIV e reutilização de objetos perfuro-cortantes com presença de sangue ou fluidos contaminados.

A população mundial vem assistindo sentada o fim de inúmeras vidas sem adotar uma postura de efeito na prevenção da AIDS. Projetos informativos realmente são a base preventiva, mas não basta. O respeito a humanidade vale mais; sem a conscientização universal a doença tende somente a proliferar-se e para seu prazer (isso é, se é possível existir conforto em meio ao caos) mais e mais pessoas cairão em suas garras.

A partir de hoje mudarei de hábitos para viver com saúde e segurança. Penso que não encontrarei o Senhor tão cedo e fico feliz em exercer meu papel de cidadão e humano que preza pela vida infindavelmente. Peço com humildade que não abuse de meu amigo, pois o mesmo não merece uma dor tão profunda devido a um descuido ingênuo.

Abraços frios.


Para o Concurso de Redação dos Correios - correios contra a aids.

3 comentários:

L30 disse...

Simplesmente brilhante e profundo... Os seres Humanos as vezes perdem os cuidados basicos consigo mesmo...Otimo alerta =]

Dii M.M's disse...

Uma otima forma de alertar os "cabeças ocas" que insistem em nao se preocupar com isso.

- giiiiiiiiu. disse...

*---*