terça-feira, 11 de agosto de 2009

são as mesmas bocas.



Quando uma história não morre de vez, volta com maior força. Se torna uma série de socos no estômago até chegar ao fim.

As bocas são as mesmas bocas.
O mel ainda é o mesmo mel.
As mãos são mãos.
Mas os olhos, não.

Ela poderia está ao meu lado dentro de sua eterna insensatez que eu não reclamaria.
Abraçaria.
Beijaria.
Morderia.
Mas não amaria, não.

Se ela não fosse tão impetuosa, talvez me apaixonaria.
seios.
gestos.
cabelos.
mas seus pensamentos, não.

E na atenção de trazê-la, perdi um mundo.
em vão.
tão.
são.
louco ou não.



''Sei que nada é por acaso e os caminhos se cruzaram e imaginar, tendo certo ou errado com base o seu passado, e a solidão que nos faz acreditar... e a noite anoitecendo'' - Acaso, Piron Heron.

Um comentário:

Luciano Oliveira disse...

"Quando uma história não morre de vez, volta com maior força. Se torna uma série de socos no estômago até chegar ao fim."

sei exatamente o que e isso!
já passei por isso! e sei o quanto esses socos doi!..

obs: as vezes não tem fim!

bjo se cuida.