quarta-feira, 26 de agosto de 2009

conhecimento e informação

conhecimento sm - 1.ato de conhecer 2.nível, grau de relações entre pessoas 3.o saber. pl 4.o volume de saber e informação de uma pessoa

informação v - 1.dar notícia de uma coisa 2.dar informe ou parecer sobre 3.instruir 4.confirmar 5.interar-se, tomar informação. (referente a informação)

Qual a diferença entre conhecimento e informação? O professor de geografia me fez essa pergunta, então a fim de encontrar respostas, parei pra refletir: Conhecimento é o que realmente nós colhemos, selecionamos e guardamos na memória por longo período, já informação é a mera notícia que recebemos e logo se vai pelo esquecimento. O professor falou também sobre uma futura profissão denominada ''selecionador de informações'' encarregada de coletar somente aquilo necessário para nosso conhecimento, pois no dia-a-dia somos devorados por uma série de notícias sem nexo, atordoantes e bem inúteis (em grande maioria). A falta de mão-de-obra competente também foi citada na aula. No Brasil há cerca de 191 milhões de habitantes, sendo que 180 milhões não são qualificados para exercer bons cargos, quais requerem no mínimo um diploma. Esse despreparo motivou-se pelo baixo nível da educação e a perca do foco do aprendizado no país, com a falta de cursos profissionalizantes. Mesmo mascarando esses fatos com mil e uma estatísticas relacionadas à alfabetização populacional (que vem crescendo em número, e não em qualidade), intitulando-se uma nação com características de um país desenvolvido, na prática é comprovado a falta de conhecimento e eficiência do trabalhador brasileiro. Simplesmente 90% da população não está preparada para competir com os 10% restante qual tem uma base mais firmada em conhecimento. A questão do desemprego é um equívoco. Óbvio que há desemprego no Brasil ( e em qualquer lugar do mundo), porém a realidade nacional é outra: gente despreparada em excesso procurando e brigando por vaga em setores onde não é obrigatória a capacidade intelectual (só braçal) e a falta de pessoas nos demais setores que exigem um conhecimento mínimo. Emprego tem sobrando, entretanto não existe quem tem cacife para atuar em determinadas áreas. Para esse quadro mudar o Estado precisa apoiar e disponibilizar mais recursos para o estudo científico no Brasil. Claro que a população também deve colaborar e agarrar todas as possibilidades possíveis do crescimento intelectual e pessoal. Educação é tudo, mas para chegarmos no patamar idealizado, o governo e cidadão devem agir em comunhão, caso contrário o objetivo será inexpugnável.

3 comentários:

Caio disse...

Sim,o Brasil tem 191 milhões de habitantes,mas entre elas se incluem crianças e idosos,tem que considerar só a PEA(população economicamente ativa).E esse negócio de conhecimento mínimo é bem verdade,mas às vezes sua única vantagem torna-se a menor concorrência,poxa vida você olha os anúncios de emprego,estão uma vergonha,um amigo meu se matou de estudar,tem muito conhecimento na área de segurança do trabalho e ta ganhando 600 paus pormês,é pouco ou quer mais?Tem gente formada em administração trabalhando no almoxarifado da hidrosystem ganhando salário mínimo.O fato é a cultura alienada,é algo enraizado,o único atrativo deste país sempre foi a mao de obra barata e a isenção de impostos,porque as multinacionais que chegam aqui esperam compensar o baixo lucro(pois o poder de consumo por pssoa é baixo)com o investimento em capital variável menor(mão de obra e promoção salarial).O fato é que os atrativos são baixos,muito baixos,e o incentivo também.A começar numa escola,vai nesses "Fb's" da vida que só preparam para a merda de um vestibular,porque vestibular é uma merda,como todo respeito a merda sinceramente,uma escola deve nos ensinar valores,deve educar o aluno,estabelecer uma reação justa entre as pessoas,ao contrário disso,jogam toda a obrigação no lar.
Tudo é uma relação entre fatores,a informalidade nesse país é muito alta,muitos brasileiros tem uma falsa ilusão de independência financeira,uma falsa ilusão de ser empresário,é mais fácil pra vender coxinha do que ler um livro!

'G i u. disse...

quer comprar o trabalhador ou estudante ''esforçado'', como seu amigo, brasileiro com um japonês? impossível. O esforçor brasileiro é mínimo perante eles.

Caio disse...

Poxa eu acho que não,é claro que pela cultura o japonês tem tendência de ser mais esforçado,mas não justifica o que acontece com ele,o esforço é algo valioso no ser humano,isso não é regra só no japão!
E eu tiro como referência aqui mesmo no Brasil!Esse fenômeno acontece de modo muito injusto aqui.Tem gente que mal moveu um dedo ganhando mil vezes mais que pessoas que es esforçaram a vida inteira,não se pode dizer que por esse meu amigo ser Brasileiro que ele se esforçou tanto quanto a média dos Brasileiros,é uma comparação injusta.O que existe aqui é a utilidade,dependendo da utilidade do seu conhecimento à favor do lucro,terás então uma tendência à ser bem sucedido.