terça-feira, 7 de abril de 2009

Legalização do aborto no Brasil




''Deus deu livre arbítrio.'' - E é a verdade. Fazemos tudo aquilo que nos convém. Aborto, no Brasil, só é assim considerado sendo feito nas primeiras 19 semanas após a última menstruação, depois é considerado como infanticídio e é julgado como tal; isto porque a medicina atual já pode manter o feto vivo fora da gestante com o auxílio de uma incubadora a partir da 19.º semana. Aborto é considerado como crime segundo a lei n.º 48/95 de 15 de Março de 1984, exceto em caso de estupro e quando não há meios de salvar a vida da mulher. Contrapartida, outros países (vale ressaltar, que na maioria são grandes potências como EUA, Canadá e Alemanha) é algo permitido.

Voltando ao quadro brasileiro, que mesmo agora como país desenvolvido (A ONU divulgou no novo ranking mundial de Índice de Desenvolvimento Humano,o Brasil com IDH de 0,80, o que nos faria entrar nesse grupo) enfrenta várias deficiências na educação, saúde, saneamento básico, e problemas entre as classes sociais, colocando assim em evidência a imensa parcela de cidadãos na miséria e com péssima qualidade de vida. Além disso, a inconsequência ou até mesmo irresponsabilidade da massa gera mais um grave problema: gravidez indesejada; levando ao aborto.

Sinceramente, a ''falta de informação para o povo'' é a pior desculpa que se pode dar. O governo faz campanha, investe em projetos, auxilia nos postos de saúde...enfim, até uma simples criança de 8 anos já sabe exatamente como se faz um bebê (culpa da banalização sexual, gente! hello!) e como podemos evitar uma gravidez e doenças. Logo, hoje mulheres só engravidam porque querem.

Porém, ninguém é perfeito e há tropeços nos caminhos... ainda existe aqueles (perdão pela expressão) idiotas que transam sem a menor preocupação com o parceiro; e até consigo mesmo. Supondo a situação onde transo sem camisinha, engravido e não QUERO ter esse filho devido a vários fatores: condições financeiras, onde não tenho como dar educação e qualidade de vida à essa criança; idade (focando assim, adolescentes, como eu); estrutura física e psicológica, e etc, porque não abortar ? o fato de simplesmente não QUERER te-lo já é argumento suficiente. EU N-Ã-O Q-U-E-R-O e devem respeitar e legalizar minha atitude. Obviamente, tenho que está de acordo com o meu parceiro, afinal não fiz sozinha. ¬¬' O que adianta a população crescer, sendo que uma parte significativa poderá, por falta de recursos, ir para o crime, tráfico, drogas, miséria, fome... e talvez seguir o meu caminho: irresponsabilidade ? a probabilidade de alguém viver bem nessas situações é mínima. E isso engloba vários defeitos na nossa sociedade e distribuição de renda, então querendo focar somente nos meu DIREITOS, voltemos ao aborto.

EU errei, EU não quero, Eu devo concertar meu erro da melhor forma que quiser, EU posso e tenho o direito de abortar! A intervenção da Igreja, nem deve ser citada. A Idade Média está para provar a quem quiser ver que a Igreja falha. Se ''prezar a vida'' é a tese deles, estou prezando pela minha. Tenho o direito de fazer o que bem entender com o meu corpo e minha geração. Sejamos a favor do aborto! Lutemos pelos nosso direitos.

Um comentário:

Aqui, ali... disse...

Do ponto de vista de quem está vivo é muito fácil defender o aborto! Que bom que você nasceu e que pena que defende o aborto.