sexta-feira, 17 de abril de 2009

Querido +_+


Música tocando no pátio, ambiente cheio, tulmuto em todos os ângulos, minutos passando rápido. Depois desses longos dias sem vê-lo, encontrar aquele rosto plácido, por acaso, perdido entre os desordeiros amigos era um sinal de sorte. A música invadia minha alma com força e o brilho dos olhos do querido apavorava-me a cada milésimo de segundo. Ele não notou minha presença, porém fiquei a espiar cada gesto. Como pode existir alguém tão prestigioso ? tão fascinante! Cada movimento tinha exata precisão.
O Querido é poderoso desde seu nascimento. Envolve e chama a atenção, tem a dádiva de magnetizar mentes, atrair os corpos para si. Se me fosse permitido, passaria horas interpretando-o e descrevendo-o, entretanto seria fadigoso para o leitor. Querido tem como principal característica a perfeição. Houve um momento em que ele percebeu meu encanto, então fingi ler um livro, mas não sei disfarçar muito bem. Sou desajeitada por natureza. Talvez seja essa minha principal característica.
Achei melhor levantar e ir para a sala antes que enrubescesse, entretanto quando me ergui, o meu eterno querido estava à minha frente sorrindo aquele sorriso de anjo ou demônio que me atrai. Sorri também, meia desconfiada.
- Lendo o que ?
- Emily Bronte.
- Já li. Gosto muito.
- Estou relendo, só pra passar o tempo mesmo.
- Tenho um livro novo em casa. Se quiser emprestar-te-ei.
- Qual ?
- Verás. É um romance também. Lembro de ti, lendo.
Pronto. Corei. O meu lindo querido enfim demonstrava que enxergava-me. Acariciei-lhe o rosto, ele tomou minhas mãos tremulas e beijou-as. O sinal soou, todos começaram a se dirigir para as salas e nós ficamos a olhar um para o outro, sem movimento, sem respiração, sem sangue correndo.
- Precisamos ir - ele disse.
- Sim, eu sei.
- Tchau. Nos vemos depois.
Ele se foi levando de vez a minha alma ao som daquela música. Dias correram, sendo que essas trocas de palavras tornaram-se frequentes. Meu querido era mais meu que nunca. Nos amávamos reciprocamente mesmo sem toque, diálogos longos ou beijos. Era algo puro e único. Passei a viver para ele, com ele, dentro dele. Enfim encontrei a paz entregando minha alma, pela primeira vez,. Esses dias correram rapidamente. Nós crescemos, amadurecemos, chegamos ao ápice do amor e aqui estou eu, 550 anos depois de tudo isso, vivendo para ele, com ele, dentro dele na eternidade.
_

Nenhum comentário: