quinta-feira, 26 de março de 2009

Machado de Assis - XLV Notas



''Soluços, lágrimas, casa armada, veludo preto nos portais, um homem que veio vestir o cadáver, outro que tomou a medida do caixão, caixão, essa, tocheiros, convites, convidados que entrava lentamente, a passo surdo, e apertavam a mão à família, alguns tristes, todos sérios e calados, padre e sacristão, rezas, aspersões d'água benta, o fechar do caixão a prego e martelo, seis pessoas que o tomam da essa, e o levantam, e o descem a custo pela escada, não obstantes os gritos, soluços e novas lágrimas da família, e vão até o coche fúnebre, e o colocam em cima e transpassam e apertam as correias, o rodar do coche, o rodar dos carros, um a um... Isto que parece um simples inventário, eram notas que eu havia tomado para um capítulo triste e vulgar que não escrevo.''

Memórias Póstumas de Brás Cubas, p. 76 cap. XLV Notas - Machado de Assis .

Li isso minutos antes da aula de química hoje, no Farias Brito. No momento exato. Nenhum minuto a mais ou a menos. Perfeito e triste. Perfeito e morto. Morto e frio.

Nenhum comentário: